Anuncio

Barbalha e Juazeiro registram as seis mortes por chikungunya no Ceará em 2022

O Ceará registrou seis mortes por complicações causadas pela chikungunya em 2022, conforme a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa).

Imagem: Reprodução/ Redes Sociais 

Todos os óbitos ocorreram entre fevereiro e março, em municípios da região do Cariri, que apresenta aumento no número de casos.

Segundo a Sesa, quatro mortes por chikungunya ocorreram na cidade de Barbalha e duas em Juazeiro do Norte, no interior do Estado. As vítimas tinham entre 21 e 85 anos e quatro delas eram do sexo masculino.

Conforme o órgão, a Região do Cariri, o Sul e o Centro-Sul do Estado tem 2.399 casos confirmados de chikungunya. O número é maior que o registrado em toda região de saúde de Fortaleza, que agrega outros municípios, além da capital.

Em 2021, a região do Cariri registrou 177 casos da doença. Já de janeiro a março deste ano o número saltou para 1.061 pessoas confirmadas com chikungunya.

Ainda de acordo com a Secretaria, ao longo do ano passado o Ceará teve 1.133 casos de chikungunya e um óbito pela doença, que vitimou um bebê de 11 meses.

Em busca de conter a proliferação do mosquito Aedes aegypti, causador de arboviroses, entre elas a dengue, o zika vírus e a chikungunya, as prefeituras têm intensificado os trabalhos dos agentes de endemias, em visitas aos moradores.

Sintomas e prevenção

Dengue, chikungunya e zika vírus têm, em comum, sintomas como febre, manchas vermelhas no corpo, além de dores nas articulações e na região dos olhos. Quem apresentar estes sinais deve procurar atendimento médico.

A prevenção da doença consiste em dificultar a reprodução do Aedes aegypti e adotar ações para evitar ser picado pelo mosquito.

Confira algumas dicas:

instale telas de proteção com espaços de, no máximo, 1,5 milímetro nas janelas de casa;
use repelente no corpo;
utilize roupas compridas;
mantenha portas e janelas fechadas, sobretudo no período do nascer e pôr do sol;
escove vasilhas de água e comida dos animais, mantenha-os secos e limpos;
mantenha as lixeiras fechadas;
tampe recipientes que possam armazenar água, incluindo tonéis e caixas d’água;
preencha pratos de vasos e plantas com areia;
mantenha o terreno de casa sempre limpo e livre de materiais ou entulhos que possam armazenar água;
mantenhas as calhas sempre limpas;
deixe ralos limpos e com aplicação de tela;
em caso de sintomas similares aos de dengue, chikungunya ou zika, procure a unidade de saúde mais próxima e consulte um médico.

Reprodução: Site Badalo

Postar um comentário

2 Comentários

  1. Os agentes de endemias não passa mais nas casas colocando venenos nos ralos e nos focos encontrados, 2- O carro do fumacê passou apenas uma vez na rua do cruzeiro asperg8ndo

    ResponderExcluir
  2. O fumacê passou apenas uma vez na rua do cruzeiro aspergindo água e não veneno, sem cheiro e sem eficácia. Estamos mato sem cachorro !

    ResponderExcluir